Um quarto dos brasileiros já teve cartões clonados ao menos uma vez



As ameaças que rondam à internet estão à espreita de nossa distração online. E apesar de saber dos riscos, muitos brasileiros assumem comportamentos que podem deixar seus dados vulneráveis. Segundo levantamento inédito do Opinion Box encomendado pela PayPal, 94% dos brasileiros entrevistados afirmam estarem preocupados com a proteção de seus dados, entretanto mais de 60% deles afirmam ter clicado em links recebidos por e-mail sem saber se os mesmos eram seguros. Tal comportamento, segundo especialistas em segurança, é uma das práticas mais perigosas no mundo virtual, pois podem ser o ponto de partida para o chamado phishing - fraude online cujo objetivo é roubar informações pessoais e financeiras de suas vítimas. A pesquisa foi feita com 2.306 homens e mulheres adultos das classes ABCDE nas cinco regiões do País.

O Opinion Box perguntou, inicialmente, o quanto as pessoas conheciam as boas práticas de segurança para realizar compras online. E 80% dos entrevistados garantiram que conheciam. Depois, a pergunta foi sobre as boas práticas para proteção de dados online. Aí o índice caiu para 73%.

As preocupações cotidianas com segurança de dados guardam relação direta com experiências negativas vividas na prática, avaliou a pesquisa. Dos respondentes, 24% disseram ter tido cartões de débito e/ou crédito clonados pelo menos uma vez, enquanto 65% dos entrevistados disseram ter pelo menos um familiar ou amigo vítima de golpe por telefone; 61% afirmaram já ter clicado em links recebidos por e-mail sem se certificar de que eram seguros; e 60% fizeram o mesmo em links recebidos por WhatsApp. Ainda nessa seção, 39% fizeram compras online em sites sobre os quais tinham dúvidas quanto à idoneidade.

A desatenção pode ser vista em outros comportamentos. Quando o Opinion Box listou as principais "boas práticas" para uma vida online saudável, 55% afirmaram não verificar se o site em que estão navegando é http ou https; e 48% não verificam a URL de destino de um link antes de clicar nele.

Um mundo cada vez mais móvel

De acordo com dados do IBGE (2018), 97% do acesso à rede já é feito por meio de celulares. No ano passado, 3,7 bilhões dos 9,9 bilhões de pagamentos que o PayPal processou nos mais de 200 mercados em que atua foram realizados por meio de dispositivos móveis, cerca de 37% do total.

Para avaliar a sensação de segurança acerca do e-commece e m-commerce, o estudo também questionou sobre as práticas dos entrevistados em relação ao consumo. Cerca de 35% afirmam que usam carteiras digitais, como o PayPal, para fazer compras para evitar o compartilhamento de informações financeiras com o e-commerce.

Na visão dos entrevistados, as categorias de compra online consideradas mais seguras ficou com "Serviços", com 60%, que incluem apps de mobilidade urbana, delivery de comida, recarga de bilhete único etc. A categoria "Compras de produtos de menor valor", como livros e acessórios para smartphones, foi escolhida por 53%; "Compra de roupas e acessórios" também é uma categoria segura para 52%; e "Compra de ingressos", para 48%, que inclui cinema, eventos, shows etc. A categoria considerada menos segura pelos e-consumidores é "Compras em sites internacionais", com 27%.

O boleto bancário e o cartão de crédito foram eleitos os meios de pagamentos mais seguro na visão dos entrevistados, seguidos pelas carteiras digitais, como o PayPal, com 29%; e pelo cartão de débito, com 19%. Do outro lado, dentre os meios de pagamento menos seguros, estão as transferências bancárias, com 26%; o depósito bancário, com 23%.


Fonte: IT Mídia

Nenhum comentário: