Brasil é o 7º país com mais invasões hackers no mundo; proteja-se


O quanto você se preocupa com a segurança dos seus dados na internet? A resposta para essa pergunta é o pontapé para o Índice de Segurança da Unisys. O conhecido indicador anual mede como os usuários se sentem em relação à tecnologia e segurança digital. Em 2019 a conclusão é, também, um alerta: o índice é o maior dos últimos dez anos.

Isso significa que, com 190 pontos, o Brasil ficou acima da média mundial de preocupação com a seguridade dos dados, que é de 175. Os números fazem sentido, principalmente quando comparados ao Relatório de Ameaças à Segurança na Internet da Symantec deste ano. O estudo concluiu o Brasil é o sétimo país com mais invasões de hackers em todo o mundo.

O levantamento realizado pela Unisys indica que, em 2009, o Índice de Segurança estava em 119, o que resultado em um aumento de quase 50%. Em relação ao ano passado, foram registrados dois pontos a mais. As estatísticas foram elaboradas a partir de 13 mil entrevistas realizadas nos Estados Unidos, México, Colômbia, Brasil, Chile, Inglaterra, Bélgica, Holanda, Alemanha, Malásia, Filipinas, Austrália e Nova Zelândia.

Os entrevistados foram questionados sobre suas preocupações com roubo de documentos, vírus em computadores e smartphones, vazamento de dados bancários, entre outros. Filipinas é o país que lidera o índice de preocupação com a segurança digital, enquanto a Holanda se mostra mais tranquila.

No Brasil, 85% dos entrevistados afirmaram que já foram ou conhecem pessoas que já foram vítimas de, pelo menos, um tipo de ameaça ou cibercrime. Além disso, 69% acreditam que um registro de identificação unificado melhoraria a segurança dos dados na rede. Ainda de acordo com o Índice de Segurança da Unisys, 76% dos brasileiros que participaram da pesquisa estão preocupados com roubo de identidade e 63% temem riscos de danos físicos relacionados à segurança pessoal nos próximos seis meses.

Outros importantes dados estão associados a preocupações financeiras, segurança nacional e uso da internet. Por exemplo, 75% dos entrevistados no Brasil temem que seus cartões bancários sejam fraudados. Ainda no âmbito da seguridade digital, 62% se mostraram apreensivos com desastres naturais e 55% com guerras e terrorismo. Por fim, 69% se preocupam com ataques e ameaças de vírus e hackers.

Como se previnir

Se o avanço tecnológico contribui para o vazamento de dados pessoais, é também graças a ele que podemos nos proteger de ataques criminosos na rede. Segundo Guilherme Neves, especialista em Segurança Cibernética e professor do curso na pós-graduação da UniCarioca, o Brasil se tornou um dos alvos favoritos para cibercrimes. Ele conta que, de acordo com levantamento da companhia de segurança digital Trend Micro, o país concentra 10,75% dos casos globais, ficando atrás somente dos Estados Unidos, que reúne 11,5% dos episódios.

Para que você possa se proteger deste e outros tipos de cibercrimes, o TechTudo traz algumas dicas do especialista. Confira:

1. Sempre que tiver um link no e-mail, desconfie
Principalmente se não foi solicitado. Só clique no link se tiver certeza. Passe o mouse em cima e verifique o endereço. Verifique também o e-mail de origem. Clique em cima do nome e veja se o e-mail corresponde ao do emissor. Muitas vezes, o atacante utiliza um nome conhecido, mas com um e-mail falso.

2. Mantenha o seu antivírus atualizado
Use antivírus pagos e, de preferência, com componente de inteligência artificial.

3. Mantenha o seu sistema operacional atualizado
Instale todas as atualizações de segurança disponíveis. Antes de instalar, faça um backup ou um ponto de recuperação. Se a atualização tiver alguma incompatibilidade com os seus sistemas, tem como voltar o backup ou o ponto de recuperação.

4. Mantenha o seu backup atualizado e, depois de concluído, retire a mídia de backup
Nunca deixe conectado, caso contrário, quando sofrer o ataque, o seu backup será criptografado também.

Neves deixa, ainda, uma dica importante para empresas:

Contrate um profissional de segurança
Tenha alguém realmente capacitado para gerir a sua infraestrutura. É importante fazer testes de vulnerabilidade e invasão periodicamente. A cada 6 meses, se for do setor financeiro ou setores regulados, ou a cada 12 meses para outras áreas.

Fonte: TechTudo

Nenhum comentário: